Análise: "Quem vaia Roger Waters não entende de Pink Floyd"
10/10/2018 23:37 em Let's Rock

 

Maurício Dehó

Do UOL, em São Paulo

 
Se viver é um ato político, até mesmo um show de rock pode refletir essa afirmação. Um dos maiores espetáculos do planeta, pela grandiosidade que vai da música às estruturas de palco, a turnê "Us + Them", de Roger Waters, poderia representar apenas uma noite de entretenimento. E, aparentemente, era isso que parte do público que foi à apresentação no Allianz Parque na terça-feira (9), em São Paulo, acreditava. Mas, diante das vaias que o baixista recebeu após exibir no telão mensagens de "#EleNão" e colocar o candidato à presidência Jair Bolsonaro numa lista de políticos neofascistas, parece que muita gente foi surpreendida. 

 

Vaiar um artista faz parte do jogo, correto? Sim. Mas pagar um ingresso caro, como o dos shows de Roger Waters e se dizer surpreendido por sua mensagem política e seu ataque a Bolsonaro soa de uma ingenuidade imensa. Afinal, essa parcela dos fãs do baixista simplesmente não entendeu a mensagem que ele passa desde o Pink Floyd.
 
 
Roger Waters foi apenas coerente em sua mensagem em São Paulo, reafirmando pontos que ele defende há décadas, principalmente de oposição ao sistema. A mensagem de Jair Bolsonaro até se encaixa nesse tipo de protesto, por apostar no "contra isso tudo" e no sentimento de indignação. No entanto, Waters sempre o fez em um caminho democrático, de não-violência, de defesa das minorias e de oposição ao establishment. O discurso pró-armamento, as declarações racistas, homofóbicas e favoráveis à ditadura do líder do primeiro turno nas eleições presidenciais estão longe dos ideais do inglês.
 
 
Está no DNA de Waters esta veia combativa. Seu pai, que foi do partido comunista inglês e depois se definia como pacifista, morreu em combate durante a Segunda Guerra Mundial, em 1944, quando Waters tinha apenas cinco meses de vida. "Ele achava que tinha de se envolver num necessário combate aos nazistas, mas isso custou sua vida", disse o músico, quando inaugurou um memorial, em 2014.
 

A visão antifascista e seus ideias políticos se manifestaram rapidamente por meio da música. Nos anos 1960, ele foi um dos fundadores do Pink Floyd, ícone do rock progressivo que se por um lado se apoiava nas viagens sonoras ousadas para seus tempos, por outro conseguia analisar a sociedade com um olhar crítico, para falar da mente humana, das relações interpessoais e de sociedade e política.

 
 
 
 
Os exemplos de canções politizadas do Pink Floyd e da carreira solo de Waters são inúmeros. Uma das obras mais famosas da banda, o álbum "The Dark Side of the Moon", traz canções como "Money", com sua letra irônica contra o capitalismo e a vida materialista que ele próprio passou a levar, e "Us  and  Them", que teve um papel importante na época da Guerra do Vietnã. Esta última canção virou o nome da turnê, agora com um sinal de mais: "Nós + Eles".
 
 
Outras canções que fizeram parte do show desta terça retratam temas semelhantes. "Welcome to The  Machine", do disco "Wish You Were Here" (1975), retratou como tudo em torno da banda parecia máquinas, da gravadora aos fãs, construindo um sucesso que levava a uma sensação de artificialidade. Posicionados logo à frente na carreira do Pink Floyd, "Dogs" e "Pigs (Three Different Ones)" trouxeram a mensagem do disco "Animals" (1977), com um conceito baseado em "A Revolução dos Bichos", de George Orwell. O livro é uma crítica a regimes totalitários.
 
 
Por fim, a obra de maior sucesso da banda, "The Wall", é o maior símbolo da faceta política de Waters, até por ele ter escrito todo o conceito do disco. Como fãs têm brincado no Twitter, "The Wall" não é um disco sobre um muro, ou sobre construção civil. O álbum fala sobre abandono e isolamento e foi baseado no ex-guitarrista da banda Syd Barrett e no fato de Waters ter sido criado sem o pai, morto na guerra. Pink é o personagem principal da "rock opera". Ele cresce em um ambiente tirânico na escola e vive traumas que vão sendo retratados como "tijolos em um muro" - que deram origem ao hit máximo do Pink Floyd, "Another Brick in the Wall (Part 2)".  A obra segue a vida de Pink enquanto ele vira um rockstar errático, que chega ao ponto de acreditar que é um ditador fascista para, mais ao fim, se redimir e quebrar o muro que o afasta do resto do mundo.
 
 
Waters não apenas compôs sobre sua visão de mundo, mas com o passar do tempo passou a se posicionar publicamente sobre temas polêmicos e ter um papel de ativista. O baixista costuma defender ideais socialistas. "Sempre gostei desses ideais humanitários. Acho que precisamos nos livrar da ideia de que o socialismo perdeu e o capitalismo venceu, e que o livre mercado é a resposta para tudo, que todos vão fazer seu trabalho e viver felizes para sempre. Não, não vão. Não vai funcionar", opinou ele, ao "The Guardian", em 2015.
 
 
O músico se posiciona contra Israel - e, consequentemente, a favor da Palestina -, em posição de boicote ao país, e chegou a discutir com Caetano Veloso quando o brasileiro iria fazer uma apresentação em Tel Aviv.
 
 
Outra tecla em que ele bate repetidamente é na crítica ao governo de Donald Trump, nos Estados Unidos. A turnê "Us + Them" já girou no país do empresário com um grito anti-Trump tão ressoante que parte do público que aprova o mandato do presidente norte-americano deixou o show antes do fim. O recado ao ex-"O Aprendiz" também apareceu no show de São Paulo, com a frase, em português: "Trump é um porco".
 
 
Waters mostra que não se importa com as críticas e não tem medo de perder fãs. Nem dinheiro. Na turnê norte-americana, por exemplo, ficou sem US$ 4 milhões em patrocínios por conta de sua mensagem contra Israel. 
 
 
Mas ao se posicionar contra Bolsonaro e ouvir um misto de #EleNão com vaias, Waters não escondeu a expressão de surpresa, balançando a cabeça negativamente. Um dos setores em que a vaia foi mais estridente foi pertinho do músico, na pista VIP, cujos ingressos custavam R$ 810, o que combina com o perfil do eleitor do candidato, formado principalmente de eleitores de classes mais altas e de escolaridade elevada, segundo pesquisa do Datafolha.
 
 
 
 
 
Independentemente da opinião do fã que estava no Allianz Parque, uma coisa é certa: Waters não chegou a surpreender quem conhecia sua obra e já viu seus shows, mesmo que no Youtube. Como, por exemplo, Tom Morello, que recentemente fez um apelo por justiça à vereadora morta Marielle Franco, já era esperado que o inglês fizesse um aceno político, e na direção que ele considerasse mais democrática. A dúvida era como isso aconteceria. Surpreendente, sim, foram as vaias - e os posteriores comentários de que ele está buscando 15 minutos de fama ou as ironias de que ele ganha dinheiro da Lei Rouanet. Tudo isso só comprova que estudar história e interpretação de texto se faz necessário. E fazer ouvindo a discografia do Pink Floyd pode ser um bom começo.
 
 
*Colaborou Marcelo Freire
 
 
 
Na segunda noite em São Paulo, Roger Waters fez uma provocação, referindo-se a censura feita por parte do público do primeiro show
 
 
Após criticar o candidato à Presidência Jair Bolsonaro, Roger Waters voltou ao Allianz Parque nesta quarta-feira (10) e provocou ainda mais.

Na lista em que critica os políticos fascistas, o ex-Pink Floyd cobriu o nome do político do PSL com uma faixa escrita "ponto de vista político censurado". Em seguida, o nome de Bolsonaro apareceu no telão.
 
 
 
 
COMENTÁRIOS